Daniela Garcia - Psicóloga

Rua General Osório, Nº 1031 - 16º Andar Sala 162
CEP: 13010-111 - Centro - Campinas - S.P
(19) 9.9222-3464
danigpsicologia@yahoo.com.br / psicologa@danielagarcia.com.br q

Newsletter

Assine a nossa newsletter e receba noticias.

Faça contato.

Reflexões

 

O ALVO CERTO.
 
Um dos principais problemas no relacionamento entre as pessoas é a falta de jeito para falar.
Nem todos conseguimos escolher a melhor forma de dizer algo que gostaríamos de dizer. E, por isso, surgem os desentendimentos.
Façamos uma comparação bem simples, que poderá nos ajudar a resolver esse problema.
Imaginemos que uma pessoa que esteja com um sério problema de saúde vá consultar um médico. O que ela espera? Certamente, que ele combata sua enfermidade e lhe restitua a saúde, não é mesmo?
Mas, se ao contrário, o médico começasse a atacar o paciente, o doente, o que aconteceria? No mínimo diríamos que esse médico é louco.
Pois bem, na relação entre as pessoas acontece algo semelhante.
Quando percebemos algum problema no comportamento de alguém partimos para a agressão ao problemático e não ao problema.
Se nosso filho, por exemplo, age de forma incorreta, o que fazemos? Chamamos o garoto e o atacamos com agressões verbais, diretamente à sua pessoa.
Ao invés de combater o problema em si agredimos seus sentimentos, suas emoções, sua personalidade.
Quando a criança deixa suas roupas sujas jogadas no banheiro, qual é o problema? A roupa jogada. Então, numa conversa, devemos tentar evitar que isso ocorra novamente, e para tanto não resolverá chamar a criança de relaxada, de descuidada, de irresponsável.
Se nosso filho está usando drogas devemos envidar todos os esforços para que ele deixe disso. De nada vale chamá-lo de fraco, de doente, de mau caráter. Ao contrário, essa atitude o fará se sentir ainda mais dependente.
Se alguém sente ciúme, inveja, ódio e queremos ajudar esse alguém, devemos atacar os maus sentimentos, e não o indivíduo.
Em qualquer situação, quando atacamos o enfermo em vez da enfermidade, estamos incentivando a baixa autoestima da pessoa, estamos dizendo que ela é o problema, que ela é incapaz, que é um zero à esquerda.
Mas quando a fazemos refletir sobre o problema, sobre o vício, sobre os desregramentos, as chances de resolver a questão são bem maiores.
Dizendo à criatura que ela tem problemas é diferente de dizer que ela é o problema.
Demonstrando que queremos ajudá-la a superar as dificuldades, ela sentirá em nós um aliado, e não um inquisidor.
Quando nossa filha tem uma crise de ira e depois nos sentamos ao seu lado e buscamos um diálogo sincero e afetuoso sobre o assunto, fazendo-a refletir sobre os inconvenientes da liberação desse sentimento, dos efeitos físicos maléficos que acarretam, temos grande chance de lograr êxito.
Quando oferecemos o antídoto, o remédio contra a ira, que é a calma, a tranquilidade, a benevolência, estamos no caminho certo.
Mas se, ao contrário, nos iramos também e a agredimos com palavras amargas, só reforçaremos a sua atitude.
Por todas essas razões, vale a pena direcionar nossa mira para o alvo certo, atacando a enfermidade em vez do enfermo.
Estamos na era da razão e não podemos continuar errando o alvo. Já não há mais espaço para a negligência quanto à autoeducação e a educação dos seres que estão sob nossa responsabilidade.
É preciso dedicar esforços e buscar esclarecimentos para que a nossa ação seja efetiva e traga bons resultados.
* * *
A Terra é uma escola. Todos os que aqui estamos precisamos ajudar-nos mutuamente para o progresso geral.
É preciso que voltemos nossos olhares para os verdadeiros males sociais, que são o orgulho e o egoísmo, combatendo-os sem trégua.
Uma vez abatidos esses males, a Humanidade estará apta a receber o troféu mais valioso de todos os tempos: a felicidade suprema.
 
"Autor Desconhecido"

 

 

 

_____________________________________________________________________________________________________________________________________________________________

 

Gansos

No outono, quando se vê bandos de gansos voando rumo ao sul, formando um grande "V" no céu, indaga-se o que a ciência já descobriu sobre o porquê de voarem desta forma. Sabe-se que quando cada ave bate as asas, move o ar para cima, ajudando a sustentar a ave imediatamente detrás. Ao voar em forma de "V" o bando se beneficia de, pelo menos, 71% a mais de força de vôo, do que uma ave voando sozinha.

Pessoas que têm a mesma direção e sentido de comunidade podem atingir seus objetivos de forma mais rápida e fácil, pois viajam beneficiando-se de um impulso mútuo.

Sempre que um ganso sai do bando, sente subitamente o esforço e a resistência necessários para continuar voando sozinho. Rapidamente, ele entra outra vez em formação para aproveitar o deslocamento do ar provocado pela ave que voa imediatamente a sua frente.

Se tivéssemos o mesmo sentido dos gansos, manter-no-iamos em formação com os que lideram o caminho para onde também desejamos seguir.

Quando o ganso lider se cansa, ele muda de posição, dentro da formação, e outro ganso assume a liderança.

Vale a pena nos revezarmos em tarefas difíceis, e isto serve tanto para as pessoas quanto para os gansos que voam rumo ao sul.

Os gansos detrás gritam, encorajando os da frente para que mantenham a velocidade. Que mensagem passamos quando gritamos detrás?

Finalmente, quando um ganso fica doente, ou ferido por um tiro e cai, dois gansos saem de formação e o acompanham para ajudá-lo e protejê-lo. Ficam com ele até que consiga voar novamente, ou até que morra. Só então levantam vôo sozinhos ou em outra formação, a fim de alcançar seu bando.